quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

EDUCAÇÃO - 1950 - 2009 - Um Quadro da Evolução - joaosaboia.com




A Evolução da Educação.

Antigamente, se ensinava e cobrava tabuada, caligrafia, redação, datilografia... Havia aulas de Educação Física, Moral e Cívica, Práticas Agrícolas, Práticas Industriais e cantava-se o Hino Nacional, hasteando a Bandeira Nacional antes de iniciar as aulas...

Aqui vai o relato de uma Professora de Matemática:

Semana passada, comprei um produto que custou R$15,80. Dei à balconista R$ 20,00 e peguei na minha bolsa, 80 centavos para evitar receber ainda mais moedas. A balconista pegou o dinheiro e ficou olhando para a máquina registradora, aparentemente sem saber o que fazer.

Tentei explicar que ela tinha que me dar 5,00 reais de troco, mas ela não se convenceu e chamou o gerente para ajudá-la. Ficou com lágrimas nos olhos enquanto o gerente tentava explicar e ela aparentemente continuava sem entender. Por que estou contando isso? Porque me dei conta da evolução do ensino de matemática desde 1950, que foi assim:

1. Ensino de matemática em 1950:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda. Qual é o lucro?

2. Ensino de matemática em 1970:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda ou R$80,00. Qual é o lucro?

3. Ensino de matemática em 1980:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$80,00. Qual é o lucro?

4. Ensino de matemática em 1990:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$80,00. Marque a resposta certa, a que indica o lucro:

( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

5. Ensino de matemática em 2000:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$80,00. O lucro é de R$ 20,00.

Está certo?
( )SIM ( ) NÃO

6. Ensino de matemática em 2009:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$100,00. O custo de produção é R$ 80,00.Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00.
( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

7. Em 2010 vai ser assim:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$100,00. O custo de produção é R$ 80,00. Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00. (Se você pertence a uma minoria social não precisa responder)
( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

E se um aluno resolve pichar a sala de aula e a professora faz com que ele pinte a sala novamente, os pais ficam enfurecidos pois a professora provocou traumas na criança.

Em 1969 os Pais do aluno perguntavam ao "aluno": "Que notas são estas...????

Em 2009 os Pais do aluno perguntam ao "professor": "Que notas são
estas...????

A pergunta abaixo foi vencedora em um congresso sobre vida sustentável.

"Todo mundo 'pensando' em deixar um planeta melhor para nossos filhos... Quando é que 'pensarão' em deixar filhos melhores para o nosso planeta?"

Enquanto isso, no Rio de Janeiro, implantaram o sistema de aprovação automática, demonstrando para o mundo que o Carioca está na vanguarda dos acontecimentos. O ensino à distância está aí e logo, logo, não vai ser preciso nem aprender a ler para se obter um tão sonhado diploma. Em lugar onde a mão de obra é saqueada através de terceirizações, eles estão mesmos certos. Para uma empresa estrangeira, se um montador só precisa saber usar uma chave de fenda, pra que ficar ensinando coisas chatas para ele? EXPORTAR é o que IMPORTA. Brazil, an everybody`s country!

Agora, um teste: O que falta no país?
Marque a opção que considere a mais certa e descreva a razão de sua escolha.

( )Educassão
( )Educaxão
( )Educação
( )NRA
( ).........................................................................................

Agradecimentos a Cristina Terra e ao Prof. Eduardo Bullara

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Vereadores vão entregar abaixo-assinado a Rechuan contra aumento de passagens de ônibus em Resende



Os vereadores Luiz Carlos de Alencar Besouchet, o Kiko Besouchet (PP), Jeremias Casemiro, o Mirim (DEM), Silvio da Fonseca, o Tivo (PT do B), e Josimar Maurício, o Tímica (PMDB), vão entregar hoje ao prefeito José Rechuan Júnior (DEM) um abaixo-assinado contra o aumento da tarifa dos ônibus no município. Com o reajuste, a tarifa passará de R$ 2,15 para R$ 2,30 a partir da zero hora do dia 1º. A entrega do abaixo-assinado acontecerá às 11 horas, no gabinete do prefeito José Rechuan, localizado no Centro Administrativo Beira-rio, no Jardim Jalisco.
Segundo o vereador Kiko Besouchet, o recolhimento das quase duas mil assinaturas foi realizado durante a manhã do último sábado, durante manifestação realizada no Calçadão da Avenida Albino de Almeida, em Campos Elíseos, principal centro comercial da cidade. Ele explicou que o Conselho Municipal de Transporte e Trânsito do Município (Comutran) teria autorizado o aumento das passagens, faltando agora ser sancionado o decreto pelo Executivo. “Estamos fazendo este abaixo-assinado para ser entregue ao prefeito Rechuan no intuito de sensibilizá-lo a não assinar o decreto autorizando o aumento das passagens de ônibus”, disse o vereador Kiko, acrescentando que é o Comutran que autoriza o aumento das passagens urbanas.
“Já foi realizada uma reunião em que o Comutran votou para que seja autorizado o aumento da passagens de ônibus no município para R$ 2,30. Eles alegam que o aumento da tarifa é baseado no Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Getulio Vargas, considerando o valor dos combustíveis e da manutenção dos veículos, além de uma série de insumos contidos na planilha de custo, que tiveram aumento, por exemplo, o valor do litro do óleo diesel; desgastes de pneus, chassis, carrocerias e peças; reajuste salarial dos funcionários de transporte coletivo e o pagamento das passagens das pessoas que não pagam a tarifa. Não aceitamos esse valor e temos que correr contra o tempo para que o Executivo não aprove o decreto”, completa o vereador.
O vereador Mirim, líder do governo no Legislativo, é outro que é contra o aumento da passagem de ônibus. “Queremos que o prefeito reveja o cálculo que estabelece o valor da passagem que a meu ver é uma das mais caras no Sul Fluminense. Em pesquisa, avaliamos que o preço ideal da passagem seria de R$ 1,68 e não R$ 2,15. Muito menos o que estão querendo repassar para os usuários, R$ 2,30. Temos que rever esses valores”, disse Mirim, informando que durante a manifestação os usuários, além de questionar o aumento do preço da tarifa, questionaram o atraso em algumas linhas de ônibus durante o final de semana. “Teve usuário que até pegou o microfone e questionou o atraso dos ônibus, principalmente nos finais de semana. Não podemos deixar acontecer, ainda mais quando se paga um alto valor no preço da passagem”, disse o vereador.
Ate o fechamento desta edição nenhum dos diretores da empresa Transporte Urbano São Miguel, concessionária que opera o sistema de transporte coletivo no município, havia retornado a ligação para a equipe de reportagem do A VOZ DA CIDADE para falar sobre o assunto.
Comutran é formada por 56 componentes
De acordo com o decreto 3094/2009, assinado pelo Executivo, que nomeia os componentes do Conselho Municipal de Transporte e Trânsito do Município (Comutran), o conselho tem como atribuições debater, fiscalizar e deliberar sobre assuntos relacionados ao sistema de transporte coletivo e ao sistema de trânsito da cidade.
O Comutran é composto por 56 componentes, entre titulares e suplentes, dez indicados pelo novo governo da cidade e o restante por entidades não-governamentais, entre elas Sindicatos dos Rodoviários, Transportes Urbanos São Miguel, Associação dos Taxistas, Câmara de Dirigentes Lojistas, Associação do Transporte Escolar de Resende (Ater), Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Resende (Aciar), Câmara de Vereadores e Federação das Associações de Moradores e Amigos de Resende (Famar), além de representantes dos distritos da cidade.
Durante todo o dia de ontem a equipe de reportagem tentou entrar em contato com alguns dos membros do Comutran. Só o suplente Antônio Gonçalves Coutinho comentou, que estava previsto um aumento maior para a tarifa de ônibus. “Pelo que estava sendo calculado, de acordo com a planilha de custo estava previsto um aumento maior para a passagem de ônibus, que seria de R$ 2,40, mas se chegou a este valor de R$ 2,30”, disse Coutinho, salientando que foi um dos que votaram contra. “Sou suplente e votei contra o aumento”, contou.
FAMAR
Como um dos representantes da coordenação executiva da Federação das Associações de Moradores e Amigos de Resende (Famar), Marcelo Macedo Dias revelou que a diretoria ainda não se reuniu para tomar uma decisão, mas informou que é evidente que a Famar, como aconteceu no processo da cobrança do pedágio de Itatiaia para moradores de Engenheiro Passos, em Resende, e da taxa de iluminação pública (ambas as ações vencedoras pela Famar), tomará uma posição, se necessário.
A diretoria da Famar é composta por 21 membros. Marcelo é um dos conselheiros da Famar no Comutran. Ele foi enfático e mencionou que se o reajuste for dado, a federação entrará na Justiça.

Voz da Cidade - Foto: Divulgação Câmara Municipal de Resende

domingo, 27 de dezembro de 2009

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Triciclo Radical - Ciclovia - Lagoa Rodrigo de Freitas - Rio de Janeiro



Três jovens pedalam seus triciclos na ciclovia da Lagoa Rodrigo de Freitas. Eles tentam fazer a manobra radical de andar em duas rodas.

No cenário da avenida Borges de Medeiros, um helicóptero do Corpo de Bombeiros, um barco a remo e uma ambulância criam um ambiente propício ao clima de suspense dos esportes radicais.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Mega da Virada, mais um Sonho pra Você - Rio de Janeiro - joaosaboia.com



Fachada de loja de loterias em Botafogo. O destaque é a Mega da Virada. É dinhero pra Você. O maior prêmio que o Brasil já viu. Mas que ainda não viu! Sonhe até o Ano Novo! Aposte já! Você vai ganhar!!!

Notas sem valor mas com a assinatura do Dr Henrique Meirelles, atual presidente do Banco Central do Brasil.

Hoje, para trocar um cheque de 150 dólares, o Banco Itaú cobra 100 dólares. O Banco Real cobra 30 dólares para o mesmo desconto.

Não houve governo em que os BANCOS ganharam tanto dinheiro. O pobre paga muito, o rico paga pouco. Eles estão mesmo certos. Pobre tem muito e é bem mais fácil de tirar o dinheiro dele.

http://www.joaosaboia.com


Dia da Rua - Ipanema - Leblon - Rio de Janeiro



Dia da Rua - Música Brasileira ao vivo nas ruas de Ipanema e Leblon - Bandas: Os Outros + qinhO - Matheus von Krüger - André Carvalho - João Bernardo - A Casca - Samba do Gnaisse - Bondesom - Binário - Os Dentes - Panamérica + Supernatural - Les Pops. Tudo foi gravado num período de uma hora. Produção: .
João Saboia, bicicleta e câmera fotográfica digital.

Feliz Natal - Luzes da Cidade - ResendeTV


As luzes que enfeitaram o Natal em Resende. Este ano teremos mais, muito mais!!! Desde já, desejamos Boas Festas e um Feliz Ano Novo para TODOS!!!

Feliz Natal - Próspero 2010 - Atelier Conchita Galvão - ResendeTV


Conchita Galvão e João Saboia agradecem as felicitações dos amigos e desejam Feliz Natal e Próspero 2010 com muitas Alegrias, Felicidades e LUZ para todos!!!

Trilha sonora: "O Primeiro Natal" Coral AC Salreu /

Presépios pintados a óleo - Atelier Arte e Imaginação - Barbosa Lima - Resende - RJ/

http://www.conchitagalvao.com/

http://www.resendetv.com

Mensagem para o Lais - 28/11/2006 - ResendeTV



28 de novembro de 2006

Oi Lais

O faz tudo descobriu que em Resende existe um pinheiro de estatura monumental!!!!! Você pode ajudar a realização desse projeto que pode nos salvar neste Natal. Abaixo a ilustração com a correspondência que enviei para o Marco Antônio mostrar ao Ricardo Abbud. Vamos ver!!!! Pode ficar muito bonito!!! Abraços, João

/Prezado Marco Antônio/ Resende se prepara para o Natal. É sabido que as decorações têm sido muito pobres nestes anos que passaram. O marco monumental da cidade nesta época do ano, é a decoração das torres do Shopping São Carlos. Trabalho que merece nossos elogios. Um dos ícones do Natal é a árvore. Originariamente, um pinheiro decorado pela neve. Resende tem um pinheiro monumental que é decorado timidamente. Esta grande árvore pode se tornar um símbolo para a cidade. A Árvore de Natal de Resende! O projeto de uma decoração feérica com iluminação e sonoridade, para por uma inauguração com a presença de autoridades e bandas de música. Estou enviando uma ilustração que pode dar uma idéia do projeto. A mídia colocará a árvore em todas as casas. Rádio, jornais e TVs cobrirão a inauguração do projeto, após chamadas patrocinadas pelos financiadores da promoção. É isso aí Marco Antônio. A hora é essa!!!! Grande abraço, João Saboia

domingo, 20 de dezembro de 2009

Passa a Polícia em Meio ao Trânsito Congestionado de Botafogo - Vídeo 9s - Trailer do Triller - ResendeTV



Policial Municipal pára o trânsito e carro da Polícia Militar passa em segurança para atender alguma emergência, pelo meio do trânsito congestionado da rua Muniz Barreto em Botafogo.

http://www.resendetv.com

O Velho e o Novo - COP 15 - Relatório de Miriam Leitão - www.miriamleitao.com


O Velho e o Novo

A COP-15 não mudou o mundo, mas mudou o Brasil. A Conferência do Clima e a competição eleitoral fizeram a posição do Brasil se mover na direção certa. Há três meses, o Brasil tinha um discurso velho. Hoje, tem metas e um caminho. Um erro foi nomear a ministra Dilma como chefe da delegação. Sem ter nada a ver com coisa alguma, ela se apagou na negociação.

COP não é palanque. Aqui, em Copenhague, travou-se uma batalha de sutilezas escorregadias, de detalhes técnicos complexos, de linguagem cifrada. Numa situação assim, é fundamental conhecer o terreno, a técnica e o tema. Dilma Rousseff é recém- chegada à questão climática. Na verdade, seu histórico é hostil à causa que motiva todo esse esforço. Ao ser escolhida, ela imprimiu à atuação brasileira um amadorismo insensato. Além disso, neutralizou alguns dos nossos mais bem treinados negociadores.

O patético final da Conferência deixou a confusão brasileira mais aparente. Todo mundo foi saindo, e o ministro Carlos Minc assumiu a negociação, apesar de ter sido expressamente afastado de outras etapas das conversas e destratado pela ministra Dilma na primeira entrevista em Copenhague. Foi Carlos Minc que tirou o Brasil da envelhecida posição de se negar a assumir compromissos de redução da emissão. E foi apenas por ter mudado sua posição que o Brasil não chegou a Copenhague em situação constrangedora.

Na noite da última sexta, no fim da Conferência, um dos remanescentes da equipe brasileira era o embaixador especial do Clima Sérgio Serra. Apesar do título do seu cargo, Serra para entrar na salas das conversas precisava do crachá deixado por Marco Aurélio Garcia, outro que não se sabe o que fazia em Copenhague.

Na noite da negociação entre os 25 chefes de Estado, de quinta-feira, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, veterano de COPs, subiu o elevador do hotel onde estava hospedado com rosto de desconsolo, depois de admitir a jornalistas que não sabia o que estava acontecendo. Celso Amorim foi, entre outras reuniões, o grande negociador de Bali, onde, junto com a então ministra Marina Silva, trabalhou na negociação do Mapa do Caminho.

Na noite do Bella Center, o presidente Lula foi para uma reunião dos chefes de Estado sem Amorim e sem o embaixador Luiz Alberto Figueiredo. Os dois têm experiência, são profissionais treinados.

Quando Dilma Rousseff chegou a Copenhague, Figueiredo teve que acompanhar a ministra em reuniões que não tinham nada a ver com o andamento da negociação. Visivelmente constrangido.

Dilma, nos primeiros dias, se dedicou a atividades políticas para a delegação brasileira, que tinha o extravagante número de 700 pessoas. Fez discursos políticos para os aplausos dos áulicos em que confundia conceitos elementares do mundo climático, ou tropeçava nos atos falhos. A atividade formal à qual tinha que ter ido era a abertura oficial do segmento ministerial. Ela era a brasileira nesse segmento. Na hora da reunião com o secretário-geral da ONU, Ban Ki Moon, o príncipe Charles e a Nobel Wangari Maathai, Dilma convocou uma coletiva, na qual se dedicou a criticar a proposta feita pela senadora Marina Silva e pelo governador José Serra, seus prováveis competidores nas eleições de 2010. Aliás, a proposta de doação brasileira para um fundo foi defendida depois pelo próprio presidente da República.

Houve momentos constrangedores. Quando chegou à primeira reunião, para ser informada do que estava acontecendo na negociação cuja chefia ela iria assumir, a pergunta feita por Dilma Rousseff foi:

— Qual é a agenda da Marina e do Serra?

De Copenhague, também ela se mobilizou para adiar a votação de um projeto que poderia desafinar com o discurso feito pelo Brasil aqui. Era o projeto chamado "Floresta Zero". Outro foi aprovado com o apoio e mobilização da base parlamentar, o que reduziu os poderes do Ibama e deixou aos estados o poder de decisão sobre a reserva legal.

O governo brasileiro começou a mudar tão recentemente que os sinais da velha forma de pensar estão em todos os lugares. Por isso, a lei de mudança climática aprovada no Congresso tem escrita a seguinte sandice: diz que as metas são voluntárias. Alguém já viu uma lei que estabelece que aquilo que legislou é voluntário? Se está na lei, é lei.

A participação brasileira ganhou musculatura quando o presidente Lula chegou e estabeleceu seu contato direto com os outros chefes de Estado, mas ter ido embora, antes do fim, levando a chefe da delegação, já mostrava como foi sem sentido sua decisão de nomeá-la.

A estratégia político-eleitoral do Planalto era aproveitar a COP e pôr a ministra-candidata em contato com grandes líderes, produzir declarações e imagens para ser usadas na campanha. Em outros eventos está sendo feito isso. Mas numa negociação como essa a decisão foi a mais sem sentido que poderia ter sido tomada. Com o aumento da tensão negociadora, o Brasil foi se apagando na mesa de negociação, em parte porque os especialistas foram afastados e em parte porque ela não tinha condições de chefiar o grupo.

A reunião de Copenhague ficará na História como um momento de insensatez das lideranças do mundo. Em que se desperdiçou uma oportunidade de ousar e construir o futuro. Em que se escolheu uma resposta medíocre diante de um vasto desafio. Para o Brasil, ficou este outro sinal assustador: de que o governo quer usar qualquer momento, mesmo o mais inadequado, para montar palanques para a sua candidata.

Enviado por Míriam Leitão e Alvaro Gribel - 20.12.2009

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Dinheiro Vivo - Euro - Dollar - Real - Só Pra Você Ver - Remix - ResendeTV



Apresentação de notas de diversos valores e quantidades de Real, Dollar e Euro. 様々な価値〔値〕の態度の提示と本当の分量、ドルとユーロ Presentation of notes of diverse values and quantities of Real, Dollar and Euro. "[Do lat. vulg. *dinariu - lat. cláss. denarius - lat. deni, 'cada dez'.] S. m. 1. V. moeda (2): 2 2. Cédulas e moedas aceitas como meio de pagamento: 2 3. Moeda (2). 4. P. ext. Tudo que representa dinheiro (1), ou nele pode ser convertido (cheques, títulos, ações, mercadorias negociáveis, etc.): 2 5. Qualquer soma, definida ou indefinida, de dinheiro (1). [Sin. (na maioria pop. ou gír.): arame, bagalhoça, bagarote(s), bago, bomba, borós, bronze, capim, caraminguá(s), caroço, changa, chapa, chelpa, cobre(s), cominho, erva, (lus.) estaleca, ferro, gaita, grana, guita, jabaculê, jibungo, jimbo, jimbongo, jimbra, legume, luz, mango, maquia, massa, metal, milho, mufunfa, níquel, numerário, óleo, ouro, pacotes, pataca, pecúnia, pilcha, prata, tacho, teca, tostão, tuncum, tusta, tutu, unto, vento, verba, zinco. Cf. nota (23) e tubos.] 6. Dinheiro (1) de curso legal; moeda circulante: 2 7. Recursos financeiros; abastança, riqueza, pataca(s): 2 Dinheiro a risco. Jur. 1. V. câmbio marítimo. Dinheiro de botija. Bras. 1. Dinheiro enterrado. [Cf. botija (4).] Dinheiro de contado. 1. O que é pago a vista ou por ocasião dos contratos, em moeda corrente. Dinheiro de S. Pedro. 1. Esmolas que os fiéis dão para o Papa. Dinheiro miúdo. 1. Dinheiro de pouco valor (sobretudo em moedas); dinheiro trocado; trocados, miúdos, quebrados. Dinheiro vivo. 1. Dinheiro em moeda metálica ou papel-moeda: & Fazer dinheiro. 1. Ganhar muito dinheiro. Ter dinheiro como bagaço. 1. Ser muito rico. Trocar dinheiro. 1. Fazer troco. 2. Fazer câmbio. " (aurélio eletrônico) "Ballots and currencies you accept like environment of payment" Original de http://www.youtube.com/jalfredo007 http://www.resendetv.com

Podemos mudar - Sim ou Não? Escolha o seu - ResendeTV



Não acredito que possamos mudar isso que está aí, sem que mudemos em primeiro lugar, a nós mesmos. Ninguém é melhor do que ninguém. Acreditar que usar este ou aquele bem poderá fazer uma pessoa melhor do que uma outra é a chave de todos os problemas. Vizinhos compram carros e fazem viagens para dizer que são maiores e mais bonitos do que os que vivem ao seu lado. Hoje, procuramos o TUDO. Amanhã, no futuro, o NADA será nosso objetivo principal. Ainda vamos ver alguém se orgulhar ao dizer: Não possuo nada! Temos o mundo, temos ainda o ar e podemos ser felizes se nos contentarmos e percebermos o valor dos empates, das igualdades e do equilíbrio. Gerações e gerações ensinam seus filhos a roubar, a tirar do outro o que não é seu. Na locução do futebol não dizem tirou a bola, dizem ROUBOU a bola. Na Fórmula 1, torcem para que o carro que está na frente, quebre. São essas falsas vitórias que buscam a todo preço. Precisamos começar a competir a favor. A favor do futebol, a favor do automobilismo e não a favor de uma pequena parte para quem a vitória chega a ter o gosto de uma agressão. O modelo está podre e generalizado porque todos aprenderam assim. Não precisamos de modelos, o que precisamos é nos conscientizar que somos humanos e que nada nesse mundo vai nos tirar dessa MARAVILHOSA condição. Você é uma pessoa especial, você ainda acredita que possamos ter uma vida melhor. Viva a vida!!! Lute a seu favor, pois o contraditório é para os que ainda não vislumbraram o bom caminho. Esses sim, precisam de ajuda. Eles querem mais e mais dinheiro para acreditar que são maiores do que os outros e além do mais, essa turma só sabe dizer NÃO. Eu nada possuo e sorrindo, ainda posso te dizer SIM.

Dilma - O que ela disse depois - Outra câmera - Mais um ponto de vista - ResendeTV



O que ela disse depois. Apresentação com duas câmeras da gafe da Ministra Dilma Rousseff, a candidata do Lula à presidência do Brasil. "A comunidade internacional deve se mobilizar."

"MOBILIZAR - [Do fr. mobiliser.]
V. t. d.
1. Movimentar (1).
2. Com. Obsol. Pôr (capitais ou títulos) em circulação.
3. Fazer passar (tropas) do estado de paz para o de guerra.
4. Arregimentar, levantar, fazer mover-se: 2" (aurélio eletrônico)

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

New York Street Music - Beatles - Metro - Pocket Video - ResendeTV



Panorama da noite em Nova York, Times Square em dia de halloween - Beatles no Metro - She Loves You - 1963 - Souremix.

http://www.resendetv.com

Sindicato dos Professores - Manifestação - Cinelândia - SEPE - ResendeTV




Professores na Cinelândia - SEPE - Apresentação de variados problemas por que passa toda a classe que clama por solução.

Todos contra a aprovação automática!!!

http://www.sepe-rj.org.br /

http://www.resendetv.com

A Árvore - Ivani Maria - Poesia - Ianomami - Manifestação - SEPE - ResendeTV



Apresentação da índia Ianomami Ivani Maria que recita o poema "A Árvore" na manifestação pública do SEPE na Cinelândia - Centro do Rio de Janeiro. Uma homenagem à Saúde e à Educação.

http://www.sepe-rj.org.br /

http://www.resendetv.com

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Ela estava ou não estava lendo? - Ato falho? Do texto? - ResendeTV



Ato falho. Psic.
1. Interferência, num ato intencional, de um outro acidental e aparentemente sem propósito, produzido pelos mecanismos de um desejo inconsciente, cuja intenção primária é levar a cabo esta realização acidental; ato falhado. (aurélio eletrônico)

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Sindicato dos Farmacêuticos do Estado do Rio de Janeiro - Manifestação na Cinelândia - ResendeTV



Sindicato dos Farmacêuticos do Estado do Rio de Janeiro - Sinfaerj - Manifestação na Cinelândia. O sindicato defende uma política de saúde pública voltada para o cidadão e para a gestão com ética.

http://www.sinfaerj.org.br /

http://www.resendetv.com

New York Street Music - Metro - Central Park - Strawberry Fields - Pocket Video - ResendeTV



Isabela Saboia registra a música de rua em Nova York. Detalhes do Strawberry Fields, espaço dedicado a memória de John Lennon.

http://www.resendetv.com

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Casa do Papai Noel - Natal para Todos - Campos Elísios - ResendeTV




Casa do Papai Noel montada por Ferrão e sonorizada pelo Simão para a CDL Resende. http://www.resendetv.com

29º Jogos Florais - Primeiras Fotos - ResendeTV



Apresentação das primeiras fotografias realizadas durante os 29º Jogos Florais promovidos por Claudionor Rosa na Igreja do Rosário. http://www.resendetv.com

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Direitos da Mulher - Semana da Não Violência - ResendeTV



Lembrando a semana de não violência contra a mulher, publicamos o registro da Campanha do Laço Branco, no ano passado no Campos Elísios, centro de Resende. Homens pelo fim da violência contra a mulher - Brasil - Resende-RJ, 25 de novembro de 2008.

A chamada Campanha do Laço Branco começou no Canadá. Em Resende, 12 mulheres foram assassinadas nos últimos 10 anos. Michele foi a última vítima na cidade, agora, em setembro de 2008.

Lei Maria da Penha.

http://www.resendetv.com

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Homenagem ao Fluminense e à sua Torcida Maravilhosa! - ResendeTV



Uma homenagem ao meu eterno time e nossa maravilhosa torcida! Não levamos a Sul Americana, mas ganhamos um time de guerreiros que honra a camisa e que entrou para história do clube e também no coração de sua torcida de elite.

Neste ano, desafiamos e provamos que estatística para classificação no o futebol não existe e calamos a boca de muita gente dizendo que o Fluminense JÁ estava rebaixado e que tiveram que se explicar nas rádios e na TV e admitir a soberania da raça tricolor no campeonato.

Quanto a Sul Americana 2009, o Fluminense perdeu o título, mas não por competência da LDU, perdemos para os efeitos da altitude sobre um time exausto que vinha de batalha sobre batalha, vitória sobre vitória. Perdemos para incompetência dos árbitros que favoreceram a LDU lá em Quito e aqui no Rio de Janeiro. E quem é a LDU? Apenas um time que se favorece da altitude para vencer seus adversários. Aquele bicho papão que todos falavam, ficaram como cordeirinhos aqui no Maraca. O Fluminense goleou tanto na Libertadores 2008 quanto na Sul Americana 2009. A LDU não ganha de ninguém fora de casa!

E o que falar da nossa torcida? Simplesmente ESPETACULAR! Fazendo história no Maraca com sua beleza, fidelidade e apoio ao time em qualquer situação. Uma torcida apaixonada e apaixonante que recebe torcedores do botafogo e do vasco que se uniram para torcer pro Flusão. Parabéns torcida de Elite!

2010 vai ser o nosso ano... o ano do Flu!

http://www.youtube.com/denilsonlr


Chuva na Av. Brasil - Resende - Rio - Ônibus - ResendeTV



Viagem de ônibus de Resende ao Rio em dia de chuva. Aspectos do trânsito na Av. Brasil vistos por passageiro da Viação Cidade do Aço. Trilha Sonora: "Chorando na Chuva" de João Saboia e Ricardo Barreto. Série Novela Carioca

http://www.resendetv.com

Brasil no Clima para a 15ª Conferência da Convenção do Clima - Copenhague - Dinamarca - ResendeTV



Provável candidata do Partido Verde (PV) à Presidência da República, a senadora Marina Silva (PV-AC) fará amanhã (domingo, 27 de setembro de 2009) primeiro grande ato público desde que deixou o PT e se filiou ao PV. A partir das 11h da manhã, no Rio de Janeiro, ela vai liderar a primeira de uma série de caminhadas do movimento "Brasil no Clima", com o objetivo de pressionar o governo brasileiro a adotar metas para a redução de emissões de gases na 15ª Conferência das Partes da Convenção do Clima (COP 15), em Copenhague, na Dinamarca, entre os dias 7 a 19 de dezembro.
A caminhada, de cerca de 10 quilômetros, terá início no Leblon e terminará no Leme. Será a primeira de uma série de caminhadas em diversas cidades do País lideradas por Marina nos fins de semana. Desde o início da semana passada, a senadora aparece nas propagandas do PV no Rio convidando a população a acompanhá-la na caminhada pela orla carioca. Marina defenderá que todos os países devem reduzir emissões, inclusive os emergentes.
"O Brasil pode e deve combater drasticamente as queimadas na Amazônia, no Cerrado e seu uso nos canaviais, e também assumir metas de redução de emissões de CO2 e metano nas áreas de transportes, indústrias, lixo, energia e agropecuária que apontem para uma redução de 20% das emissões até 2020", diz a nota do site do PV. (Estadão)


segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Flamengo Campeão!!! Resende faz a Festa!!!



Flamengo vence o Grêmio e o Campeonato Brasileiro! É Festa!!! Comemoração de torcedores que saem às ruas para mostrar toda a sua alegria.

sábado, 5 de dezembro de 2009

O Motivo da Polêmica - A Pedidos, o texto de CÉSAR BENJAMIN para a FOLHA - ResendeTV



Os filhos do Brasil/

CÉSAR BENJAMIN/
ESPECIAL PARA A FOLHA/

A PRISÃO na Polícia do Exército da Vila Militar, em setembro de 1971, era especialmente ruim: eu ficava nu em uma cela tão pequena que só conseguia me recostar no chão de ladrilhos usando a diagonal. A cela era nua também, sem nada, a menos de um buraco no chão que os militares chamavam de "boi"; a única água disponível era a da descarga do "boi". Permanecia em pé durante as noites, em inúteis tentativas de espantar o frio. Comia com as mãos. Tinha 17 anos de idade.
Um dia a equipe de plantão abriu a porta de bom humor. Conduziram-me por dois corredores e colocaram-me em uma cela maior onde estavam três criminosos comuns, Caveirinha, Português e Nelson, incentivados ali mesmo a me usar como bem entendessem. Os três, porém, foram gentis e solidários comigo. Ofereceram-me logo um lençol, com o qual me cobri, passando a usá-lo nos dias seguintes como uma toga troncha de senador romano.
Oriundos de São Paulo, Caveirinha e Português disseram-me que "estavam pedidos" pelo delegado Sérgio Fleury, que provavelmente iria matá-los. Nelson, um mulato escuro, passava o tempo cantando Beatles, fingindo que sabia inglês e pedindo nossa opinião sobre suas caprichadas interpretações. Repetia uma ideia, pensando alto: "O Brasil não dá mais. Aqui só tem gente esperta. Quando sair dessa, vou para o Senegal. Vou ser rei do Senegal".
Voltei para a solitária alguns dias depois. Ainda não sabia que começava então um longo período que me levou ao limite.
Vegetei em silêncio, sem contato humano, vendo só quatro paredes -"sobrevivendo a mim mesmo como um fósforo frio", para lembrar Fernando Pessoa- durante três anos e meio, em diferentes quartéis, sem saber o que acontecia fora das celas. Até que, num fim de tarde, abriram a porta e colocaram-me em um camburão. Eu estava sendo transferido para fora da Vila Militar. A caçamba do carro era dividida ao meio por uma chapa de ferro, de modo que duas pessoas podiam ser conduzidas sem que conseguissem se ver. A vedação, porém, não era completa. Por uma fresta de alguns centímetros, no canto inferior à minha direita, apareceram dedos que, pelo tato, percebi serem femininos.
Fiquei muito perturbado (preso vive de coisas pequenas). Há anos eu não via, muito menos tocava, uma mulher. Fui desembarcado em um dos presídios do complexo penitenciário de Bangu, para presos comuns, e colocado na galeria F, "de alta periculosia", como se dizia por lá. Havia 30 a 40 homens, sem superlotação, e três eram travestis, a Monique, a Neguinha e a Eva. Revivi o pesadelo de sofrer uma curra, mas, mais uma vez, nada ocorreu. Era Carnaval, e a direção do presídio, excepcionalmente, permitira a entrada de uma televisão para que os detentos pudessem assistir ao desfile.
Estavam todos ocupados, torcendo por suas escolas. Pude então, nessa noite, ter uma longa conversa com as lideranças do novo lugar: Sapo Lee, Sabichão, Neguinho Dois, Formigão, Ari dos Macacos (ou Ari Navalhada, por causa de uma imensa cicatriz que trazia no rosto) e Chinês. Quando o dia amanheceu éramos quase amigos, o que não impediu que, durante algum tempo, eu fosse submetido à tradicional série de "provas de fogo", situações armadas para testar a firmeza de cada novato.
Quando fui rebatizado, estava aceito. Passei a ser o Devagar. Aos poucos, aprendi a "língua de congo", o dialeto que os presos usam entre si para não serem entendidos pelos estranhos ao grupo.
Com a entrada de um novo diretor, mais liberal, consegui reativar as salas de aula do presídio para turmas de primeiro e de segundo grau. Além de dezenas de presos, de todas as galerias, guardas penitenciários e até o chefe de segurança se inscreveram para tentar um diploma do supletivo. Era o que eu faria, também: clandestino desde os 14 anos, preso desde os 17, já estava com 22 e não tinha o segundo grau. Tornei-me o professor de todas as matérias, mas faria as provas junto com eles.
Passei assim a maior parte dos quase dois anos que fiquei em Bangu. Nos intervalos das aulas, traduzia livros para mim mesmo, para aprender línguas, e escrevia petições para advogados dos presos ou cartas de amor que eles enviavam para namoradas reais, supostas ou apenas desejadas, algumas das quais presas no Talavera Bruce, ali ao lado. Quanto mais melosas, melhor.
Como não havia sido levado a julgamento, por causa da menoridade na época da prisão, não cumpria nenhuma pena específica. Por isso era mantido nesse confinamento semiclandestino, segregado dos demais presos políticos. Ignorava quanto tempo ainda permaneceria nessa situação.
Lembro-me com emoção -toda essa trajetória me emociona, a ponto de eu nunca tê-la compartilhado- do dia em que circulou a notícia de que eu seria transferido. Recebi dezenas de catataus, de todas as galerias, trazidos pelos próprios guardas. Catatau, em língua de congo, é uma espécie de bilhete de apresentação em que o signatário afiança a seus conhecidos que o portador é "sujeito-homem" e deve ser ajudado nos outros presídios por onde passar.
Alguns presos propuseram-se a organizar uma rebelião, temendo que a transferência fosse parte de um plano contra a minha vida. A essa altura, já haviam compreendido há muito quem eu era e o que era uma ditadura.
Eu os tranquilizei: na Frei Caneca, para onde iria, estavam os meus antigos companheiros de militância, que reencontraria tantos anos depois. Descumprindo o regulamento, os guardas permitiram que eu entrasse em todas as galerias para me despedir afetuosamente de alunos e amigos. O Devagar ia embora.





São Paulo, 1994. Eu estava na casa que servia para a produção dos programas de televisão da campanha de Lula. Com o Plano Real, Fernando Henrique passara à frente, dificultando e confundindo a nossa campanha.
Nesse contexto, deixei trabalho e família no Rio e me instalei na produtora de TV, dormindo em um sofá, para tentar ajudar. Lá pelas tantas, recebi um presente de grego: um grupo de apoiadores trouxe dos Estados Unidos um renomado marqueteiro, cujo nome esqueci. Lula gravava os programas, mais ou menos, duas vezes por semana, de modo que convivi com o americano durante alguns dias sem que ele houvesse ainda visto o candidato.
Dizia-me da importância do primeiro encontro, em que tentaria formatar a psicologia de Lula, saber o que lhe passava na alma, quem era ele, conhecer suas opiniões sobre o Brasil e o momento da campanha, para então propor uma estratégia. Para mim, nada disso fazia sentido, mas eu não queria tratá-lo mal. O primeiro encontro foi no refeitório, durante um almoço.
Na mesa, estávamos eu, o americano ao meu lado, Lula e o publicitário Paulo de Tarso em frente e, nas cabeceiras, Espinoza (segurança de Lula) e outro publicitário brasileiro que trabalhava conosco, cujo nome também esqueci. Lula puxou conversa: "Você esteve preso, não é Cesinha?" "Estive." "Quanto tempo?" "Alguns anos...", desconversei (raramente falo nesse assunto). Lula continuou: "Eu não aguentaria. Não vivo sem boceta".
Para comprovar essa afirmação, passou a narrar com fluência como havia tentado subjugar outro preso nos 30 dias em que ficara detido. Chamava-o de "menino do MEP", em referência a uma organização de esquerda que já deixou de existir. Ficara surpreso com a resistência do "menino", que frustrara a investida com cotoveladas e socos.
Foi um dos momentos mais kafkianos que vivi. Enquanto ouvia a narrativa do nosso candidato, eu relembrava as vezes em que poderia ter sido, digamos assim, o "menino do MEP" nas mãos de criminosos comuns considerados perigosos, condenados a penas longas, que, não obstante essas condições, sempre me respeitaram.
O marqueteiro americano me cutucava, impaciente, para que eu traduzisse o que Lula falava, dada a importância do primeiro encontro. Eu não sabia o que fazer. Não podia lhe dizer o que estava ouvindo. Depois do almoço, desconversei: Lula só havia dito generalidades sem importância. O americano achou que eu estava boicotando o seu trabalho. Ficou bravo e, felizmente, desapareceu.





Dias depois de ter retornado para a solitária, ainda na PE da Vila Militar, alguém empurrou por baixo da porta um exemplar do jornal "O Dia". A matéria da primeira página, com direito a manchete principal, anunciava que Caveirinha e Português haviam sido localizados no bairro do Rio Comprido por uma equipe do delegado Fleury e mortos depois de intensa perseguição e tiroteio. Consumara-se o assassinato que eles haviam antevisto.
Nelson, que amava os Beatles, não conseguiu ser o rei do Senegal: transferido para o presídio de Água Santa, liderou uma greve de fome contra os espancamentos de presos e perseverou nela até morrer de inanição, cerca de 60 dias depois. Seu pai, guarda penitenciário, servia naquela unidade.
Neguinho Dois também morreu na prisão. Sapo Lee foi transferido para a Ilha Grande; perdi sua pista quando o presídio de lá foi desativado. Chinês foi solto e conseguiu ser contratado por uma empreiteira que o enviaria para trabalhar em uma obra na Arábia, mas a empresa mudou os planos e o mandou para o Alasca. Na última vez que falei com ele, há mais de 20 anos, estava animado com a perspectiva do embarque: "Arábia ou Alasca, Devagar, é tudo as mesmas Alemanhas!" Ele quis ir embora para escapar do destino de seu melhor amigo, o Sabichão, que também havia sido solto, novamente preso e dessa vez assassinado. Não sei o que aconteceu com o Formigão e o Ari Navalhada.
A todos, autênticos filhos do Brasil, tão castigados, presto homenagem, estejam onde estiverem, mortos ou vivos, pela maneira como trataram um jovem branco de classe média, na casa dos 20 anos, que lhes esteve ao alcance das mãos. Eu nunca soube quem é o "menino do MEP". Suponho que esteja vivo, pois a organização era formada por gente com o meu perfil. Nossa sobrevida, em geral, é bem maior do que a dos pobres e pretos.
O homem que me disse que o atacou é hoje presidente da República. É conciliador e, dizem, faz um bom governo. Ganhou projeção internacional. Afastei-me dele depois daquela conversa na produtora de televisão, mas desejo-lhe sorte, pelo bem do nosso país. Espero que tenha melhorado com o passar dos anos.
Mesmo assim, não pretendo assistir a "O Filho do Brasil", que exala o mau cheiro das mistificações. Li nos jornais que o filme mostra cenas dos 30 dias em que Lula esteve detido e lembrei das passagens que registrei neste texto, que está além da política. Não pretende acusar, rotular ou julgar, mas refletir sobre a complexidade da condição humana, justamente o que um filme assim, a serviço do culto à personalidade, tenta esconder.

CÉSAR BENJAMIN, 55, militou no movimento estudantil secundarista em 1968 e passou para a clandestinidade depois da decretação do Ato Institucional nº 5, em 13 de dezembro desse ano, juntando-se à resistência armada ao regime militar. Foi preso em meados de 1971, com 17 anos, e expulso do país no final de 1976. Retornou em 1978. Ajudou a fundar o PT, do qual se desfiliou em 1995. Em 2006 foi candidato a vice-presidente na chapa liderada pela senadora Heloísa Helena, do PSOL, do qual também se desfiliou. Trabalhou na Fundação Getulio Vargas, na Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, na Prefeitura do Rio de Janeiro e na Editora Nova Fronteira. É editor da Editora Contraponto e colunista da Folha.

Fotos: Angelo Cuissi/Fazendo Media

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Mario Verol - Campeão Carioca e Paulista de Aeromodelismo de 2009 - ResendeTV




Campeonato Carioca:
4 etapas - A Final aconteceu no dia 14 e 15 de novembro de 2009/

Resultado do campeonato /
1 - Mario Verol - Resende/
2 - Eduardo Lopes - Rio de Janeiro/
3 - Albino Nock - Rio de Janeiro/
4 - Thiago Felipe - Rio de Janeiro/
5 - Otaviano Nogueira



Colocação de Verol nas etapas/
1 - Campeão/
2 - Campeão/
3 - Segundo lugar/
4 - Segundo lugar



Campeonato Paulista/
4 etapas, sendo que a última que aconteceria nos dias 28 e 29 de novembro foi cancelada./

Resultado do Campeonato/

1 - Mario Verol/
2 - Ricardo Del Polzo/
3 - Guilherme Stablish/


Posição de Verol nas Etapas/

1 - não participou - Motivo - Saúde/
2 - Não Ocorreu - Chuva/
3 - Campeão/
4 - Cancelada


Campeonato Brasileiro/

Verol caiu com o avião no primeiro vôo da final./

Resultados/
1 - Bruno Rack/
2 - Eduardo Lopes/
3 - Ricardo Del Pozo/
4 - Paulo Massei/
5 - Mario Verol/
6 - Djeferson Barros/

OBS - Observando os resultados do brasileiro, caso Verol não tivesse caído, provavelmente estaria entre os 3 primeiros, pois os dois primeiros ele venceu nos campeonatos estaduais./

Abaixo, o vídeo de aeromodelismo campeão de exibições de ResendeTV, em 04/12/2009, já contava com 35.481 exibições/

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Arte Pet - Catavento - O vídeo campeão de ResendeTV



O vídeo que está em primeiro lugar dos mais vistos de ResendeTV. Veja as estatísticas oficiais e comprove a visibilidade do canal ResendeTV no YouTube.



quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

CÉSAR BENJAMIN sobre o filme do LULA - A FOLHA - ResendeTV



Por que agora? -
CÉSAR BENJAMIN - ESPECIAL PARA A FOLHA

DEIXO de lado os insultos e as versões fantasiosas sobre os "verdadeiros motivos" do meu artigo "Os Filhos do Brasil". Creio, porém, que devo esclarecer uma indagação legítima: "por quê?", ou, em forma um pouco expandida, "por que agora?". A rigor, a resposta já está no artigo, mas de forma concisa. Eu a reitero: o motivo é o filme, o contexto que o cerca e o que ele sinaliza.
Há meses a Presidência da República acompanha e participa da produção desse filme, financiado por grandes empresas que mantêm contratos com o governo federal.
Antes de finalizado, ele foi analisado por especialistas em marketing, que propuseram ajustes para torná-lo mais emotivo.
O timing do lançamento foi calculado para que ele gire pelo Brasil durante o ano eleitoral. Recursos oriundos do imposto sindical -ou seja, recolhidos por imposição do Estado- estão sendo mobilizados para comprar e distribuir gratuitamente milhares de ingressos. Reativam-se salas pelo interior do país e fala-se na montagem de cines volantes para percorrerem localidades que não têm esses espaços. O objetivo é que o filme seja visto por cerca de 5 milhões de pessoas, principalmente pobres.
Como se fosse pouco, prepara-se uma minissérie com o mesmo título para ser exibida em 2010 pela nossa maior rede de televisão que, como as demais, também recebe publicidade oficial. Desconheço que uma operação desse tipo e dessa abrangência tenha sido feita em qualquer época, em qualquer país, por qualquer governante. Ela sinaliza um salto de qualidade em um perigoso processo em curso: a concentração pessoal do poder, a calculada construção do culto à personalidade e a degradação da política em mitologia e espetáculo. Em outros contextos históricos isso deu em fascismo.
O presidente Lula sabe o que faz. Mais de uma vez declarou como ficou impressionado com o belo "Cinema Paradiso", de Giuseppe Tornatore, que narra o impacto dos primeiros filmes na mente de uma criança. "O Filho do Brasil" será a primeira -e talvez a única- oportunidade de milhões de pessoas irem a um cinema. Elas não esquecerão.
Em quase oito anos de governo, o loteamento de cargos enfraqueceu o Estado. A generalização do fisiologismo demoliu o Congresso Nacional. Não existem mais partidos. A política ficou diminuída, alienada dos grandes temas nacionais. Nesse ambiente, o presidente determinou sozinho a candidata que deverá sucedê-lo, escolhendo uma pessoa que, se eleita, será porque ele quis. Intervém na sucessão em cada Estado, indicando, abençoando e vetando. Tudo isso porque é popular. Precisa, agora, do filme.
Embalado pelas pré-estreias, anunciou que "não há mais formadores de opinião no Brasil". Compreendi que, doravante, ele reserva para si, com exclusividade, esse papel. Os generais não ambicionaram tanto poder. A acusação mais branda que tenho recebido é a de que mudei de lado. Porém os que me acusam estão preparando uma campanha milionária para o ano que vem, baseada em cabos eleitorais remunerados e financiada por grandes grupos econômicos. Em quase todos os Estados, estarão juntos com os esquemas mais retrógrados da política brasileira. E o conteúdo de sua pregação, como o filme mostra, estará centrado no endeusamento de um líder.
Não há nada de emancipatório nisso. Perpetuar-se no poder tornou-se mais importante do que construir uma nação. Quem, afinal, mudou de lado? Aos que viram no texto uma agressão, peço desculpas. Nunca tive essa intenção. Meu artigo trata, antes de tudo, de relações humanas e é, antes de tudo, uma denúncia do círculo vicioso da extrema pobreza e da violência que oprime um sem-número de filhos do Brasil. Pois o Brasil não tem só um filho.
Reitero: o que escrevi está além da política. Recuso-me a pensar o nosso país enquadrado pela lógica da disputa eleitoral entre PT e PSDB. Mas, se quiserem privilegiar uma leitura política, que também é legítima, vejam o texto como um alerta contra a banalização do culto à personalidade com os instrumentos de poder da República. O imaginário nacional não pode ser sequestrado por ninguém, muito menos por um governante.
Alguns amigos disseram-me que, com o artigo, cometi um ato de imolação. Se isso for verdadeiro, terá sido por uma boa causa.

CÉSAR BENJAMIN, 55, militou no movimento estudantil secundarista em 1968 e passou para a clandestinidade depois da decretação do Ato Institucional nº 5, em 13 de dezembro desse ano, juntando-se à resistência armada ao regime militar. Foi preso em meados de 1971, com 17 anos, e expulso do país no final de 1976. Retornou em 1978. Ajudou a fundar o PT, do qual se desfiliou em 1995. Em 2006 foi candidato a vice-presidente na chapa liderada pela senadora Heloísa Helena, do PSOL, do qual também se desfiliou. Trabalhou na Fundação Getulio Vargas, na Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, na Prefeitura do Rio de Janeiro e na Editora Nova Fronteira. É editor da Editora Contraponto e colunista da Folha.


XXl BIKOO-TEN - Exposição de Artistas Japoneses no Rio de Janeiro - ResendeTV



Imagens da abertura do XXl BIKOO-TEN - Exposição de Artistas Japoneses no Rio de Janeiro - Consulado Geral da República Argentina - Instituto Cultural Brasil Argentina.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

A Menina que Calou o Mundo Por 5 Minutos - Conferência da ONU - ResendeTV



A criança Canadense que discursou na conferência das Nações Unidas, no Rio de Janeiro, chama a atenção dos adultos para os erros sistemáticos que todos nós, humanos, temos cometido contra a vida no Planeta.

O Beijo - Vik Muniz (Making Of) - Dia Mundial de Luta contra a Aids de 2009 - Ministério da Saúde - ResendeTV



Cerca de 1.200 pessoas reuniram-se no dia 20 de setembro de 2009 para lutar contra o preconceito e o estigma de quem tem aids. O fotógrafo e artista plástico de renome internacional Vik Muniz fotografou seis mosaicos formados cada um por cerca de 600 soropositivos e solidários à causa. Uma nova imagem surgiu a partir de várias outras pequenas. Essa é a maior característica do trabalho do paulista radicado em Nova York. A ação faz parte da campanha do Dia Mundial de Luta contra a Aids de 2009, organizada pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, pelo Centro de Referência e Treinamento de São Paulo e pelo Programa Municipal de DST e Aids de Guarulhos e com o apoio de várias organizações locais.




Os voluntários seguraram cartões coloridos para formar imagens de beijos, símbolo universal do amor e da solidariedade. Essa será a primeira obra de Vik Muniz sobre o tema HIV/Aids. O resultado ficará exposto no MASP, Museu de arte de São Paulo. As fotos dos mosaicos foram tiradas no Ginásio Pascoal Thomeu (Guarulhos/SP).

domingo, 29 de novembro de 2009

DEM exige explicações de Arruda - TudoGlobal - Política - ResendeTV



O DEM, partido do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda – investigado por participar de um esquema de corrupção de governo -, publicou na madrugada de hoje (29) uma nota com pedido de esclarecimentos ao governador do DF. Em nota breve, o DEM afirma que as “graves denúncias feitas exigem esclarecimentos convincentes”.
A nota foi publicada após a divulgação de um vídeo, em que Arruda é flagrado recebendo dinheiro do ex-secretário de Relações Institucionais, Durval Barbosa. Antes da divulgação das imagens, o presidente nacional do DEM, Rodrigo Maia, havia declarado que o partido só tomaria posição após “as apurações do Superior Tribunal de Justiça”, responsável pelas investigações, e que teriam “a total confiança no governador Arruda”.
O presidente do DEM tentou, inclusive, desqualificar a operação da Polícia Federal, dizendo que “estraha” a posição da PF em não ter uma operação com “mais cuidado”. “Nos estranha a posição da Polícia Federal dias depois de o presidente Lula pedir para que ela tenha operações com mais cuidado”, afirmou o presidente do DEM.
No Congresso, a primeira reação dos democratas também foi dizer que mantinham “confiança” no governador Arruda. O líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), disse na sexta que, enquanto não existissem provas comprovando o envolvimento do governador, o partido continuaria apoiando Arruda.
Agora com a prova do vídeo, a crise na gestão do DF se agravou e o governador terá que se posicionar. Até o momento, no entanto, Arruda não se pronunciou oficialmente. Apenas assessores e secretários deram algumas declarações à imprensa.
A primeira delas, ainda na sexta-feira (27), foi dada após a deflagração da Operação Caixa de Pandora. Na ocasião, a assessoria de Arruda justificou que o esquema de corrupção invetigado pela Polícia Federal já havia começado no governo passado, quando Joaquim Roriz (ex-PMDB) estava no poder.
Ontem (28), após a divulgação do vídeo, o secretário de Ordem Pública do DF, Roberto Giffoni, disse à imprensa que o dinheiro recebido não se tratava de propina. E sim, seria uma colaboração recebida, em 2005, pelo então deputado José Roberto Arruda para financiar ações sociais, entre as quais a compra de panetones e brinquedos.
Leia abaixo a nota do DEM:
“As graves denúncias feitas contra o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda exigem esclarecimentos convincentes. O partido tem o compromisso com a verdade e aguarda a manifestação oficial do governador para poder se pronunciar.
Brasília, 28 de novembro de 2009.
Rodrigo Maia – Presidente nacional do Democratas
José Agripino – Líder do Democratas no Senado
Ronaldo Caiado – líder do Democratas na Câmara”

Fonte: www.tudoglobal.com.br

Os Derrames Cerebrais - Agora, um novo indicador: A língua - Saúde - ResendeTV



Derrame: memorize as três primeiras letras - S F B

Se levarem ao neurologista uma vítima de derrame dentro das primeiras três horas, ele pode reverter os efeitos do derrame - totalmente. O segredo é reconhecer o derrame, diagnosticá-lo e oferecer o tratamento médico correspondente, dentro das três horas seguintes.

RECONHECENDO UM DERRAME
Os médicos dizem que uma testemunha qualquer pode reconhecer um derrame fazendo à vítima esses três simples pedidos:

S* (Sorria) Peça que SORRIA.
F* (Fale) Peça que FALE ou APENAS DIGA UMA FRASE SIMPLES. (com coerência)
(ex : Hoje o dia está ensolarado)
B* (Levante os Braços) Peça que levante AMBOS OS BRAÇOS.

Se ele ou ela têm algum problema em realizar QUALQUER destas tarefas, chame a emergência imediatamente e descreva-lhe os sintomas, ou a leve rápidamente à uma clínica ou hospital.

Novo Sinal de derrame - Ponha a língua de fora.

Outro sinal de derrame é este: Peça à pessoa que ponha a língua para fora e se a língua estiver torcida e sair por um lado ou por outro, é também sinal de derrame.

Qualquer um que mostre estas instruções para pelo menos 10 pessoas, pode apostar que salvará pelo menos uma vida.

Lula, O Filho do Brasil - Trailer Oficial do Filme - 2:33 minutos - Cinema - ResendeTV



Assinado pela Downtown, Europa e Globo Filmes, o filme conta a vida de Luiz Inácio Lula da Silva, atual presidente da República, de sua infância até 1980, quando se tornou um famoso líder sindical. No elenco, estão Glória Pires, Cléo Pires, Juliana Baroni, Milhem Cortaz, Lucélia Santos, Antônio Pitanga e Rui Ricardo Diaz como Lula.

sábado, 28 de novembro de 2009

Video mostra Arruda recebendo dinheiro - www.tvig.ig.com.br - Política - ResendeTV




A reportagem do iG teve acesso em primeira mão ao vídeo que mostra o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, recebendo dinheiro de suposta propina em esquema de corrupção montado dentro do governo.

Gravada pelo então secretário de Relações Institucionais, Durval Barbosa, a fita anexada ao inquérito da Polícia Federal, desencadeou a Operação Caixa de Pandora na última sexta, que resultou no cumprimento de 29 mandados de busca e apreensão em gabinetes de órgãos públicos, residências e empresas em três cidades.

Veja o vídeo:

FONTE.
http://tvig.ig.com.br

Euro em Resende - Cara e Coroa - ResendeTV


A moeda de cinco centavos de Euro é do mesmo tamanho e aparentemente, é do mesmo material que o da moeda de cinco centavos de Real. Numa leitura desatenta, são iguais! Essa semelhança tem trazido algumas alegrias e tristezas na hora do troco. Descobri isso quando não aceitaram o Euro na loja de conveniência do posto de gasolina. É interessante como uma moeda que vale quase três vezes mais do que o Real, é rejeitada na boca do caixa. Na cotação de hoje, 5 centavos de Euro correspondem a pouco mais de 13 centavos de Real! Vale a pena receber a moeda européia!!! Depois que soube disso, já recebi três. Você já recebeu alguma? Apesar do pouco valor é uma curiosidade que vale a pena conferir.





quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Trem de Alta Velocidade (TAV) na Maquete da Fábrica - ResendeTV



O Trem Bala, em maquete da fábrica, evolui por acidentes geográficos numa simulação do que seria a viagem Rio - São Paulo. Como trilha musical, o Trenzinho Caipira de Villa Lobos em versão cantada, de Edu Lobo.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

TUDO DEMAIS ENVENENA - Novas Campanhas - ResendeTV



Fartura, abundância, excesso, exagero... Quantas palavras para significar o que não tem limite! Em Piracicaba - SP, fizemos um vídeo pedindo por socorro para Saponga, o torcedor símbolo do XV de Piracicaba. Ele estava com sérios problemas de saúde e o vídeo chamou a atenção de quem podia ajudar. Os resultados foram o tratamento para seu problema na perna e uma prótese dentária que há muito precisava.

É impressionante como nos acostumamos com o que vemos todos os dias e assim, nem nos damos conta de que podemos ajudar de alguma maneira. O Celsão é um sujeito simpático, tem um belo sorriso, mas no momento, precisa de ajuda. Esta foto mostra bem o que quero dizer. Como jornalista, faço o que posso e agora, uso este veículo para pedir outra vez por socorro. Quem poderá ajudar o Celsão? Ele é o Momo, o nosso rei da alegria!



Festival de Cinema - Eles que são brancos que se entendam - ResendeTV


Resende prosperou muito com a ajuda do braço escravo. Essas relações de trabalho tiveram o seu fim e hoje, o trabalho escravo constitui um grave crime. -Artistas trabalham por amor, eles gostam de aparecer... Essa afirmação pode ser confirmada com facilidade. Basta perguntar para qualquer artista. No país campeão na cobrança de tributos e sabidamente muito fraco no que diz respeito à educação, criou-se leis específicas que dão a opção para quem paga os altos impostos, de direcionar parte do débito para ações culturais específicas. Empresas pequenas ficam de fora mas as grandes corporações utilizam cada centavo aprovado, em ações culturais onde divulgam as suas marcas, seus produtos e seus serviços. Isso possibilitou o crescimento de uma nova indústria que movimenta muitos e muitos milhões de reais todos os anos. Produções de caráter duvidoso e produções sérias andam juntas na captação dessas verbas milionárias. Assim, esses escritórios buscam em primeiríssimo lugar, o dinheiro. E é assim que também lançam mão de todos os artifícios para ficar com todo o dinheiro que puderem acumular. Ontem, fui convidado pelo Lu Gastão para ser jurado neste festival que vai ser montado em Resende e Itatiaia. São quatro dias e ao jurado não oferecem nada. O Lu disse que estão sem verba. Ora, se o logotipo da empresa operadora de telefonia está bem estampado acima no convite, e os de outras tantas com menor participação, figuram no rodapé do mesmo, é de se imaginar que corre dinheiro nessa ação. Então, porque não pagar pelo trabalho do artista? Peço aqui, minhas desculpas públicas por ter declinado ao convite para trabalhar mais uma vez de graça. Lembrei do café, dos escravos, dos índios Purís e pensei cá com os meus botões: - Eles que são brancos, que se entendam...


.
foto: http://morosozinhoeagora.wordpress.com/

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Noite da Música Negra - CCRR - Pérola Negra - Som Leno Soul - ResendeTV - 23/11/09



Finalizando a semana de homenagens ao Dia da Consciência Negra, dia da morte de Zumbi, a Noite da Música Negra no CCRR, relembra os bailes do Movimento Black Power dos anos 70 - Resende.