terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Vereadores vão entregar abaixo-assinado a Rechuan contra aumento de passagens de ônibus em Resende



Os vereadores Luiz Carlos de Alencar Besouchet, o Kiko Besouchet (PP), Jeremias Casemiro, o Mirim (DEM), Silvio da Fonseca, o Tivo (PT do B), e Josimar Maurício, o Tímica (PMDB), vão entregar hoje ao prefeito José Rechuan Júnior (DEM) um abaixo-assinado contra o aumento da tarifa dos ônibus no município. Com o reajuste, a tarifa passará de R$ 2,15 para R$ 2,30 a partir da zero hora do dia 1º. A entrega do abaixo-assinado acontecerá às 11 horas, no gabinete do prefeito José Rechuan, localizado no Centro Administrativo Beira-rio, no Jardim Jalisco.
Segundo o vereador Kiko Besouchet, o recolhimento das quase duas mil assinaturas foi realizado durante a manhã do último sábado, durante manifestação realizada no Calçadão da Avenida Albino de Almeida, em Campos Elíseos, principal centro comercial da cidade. Ele explicou que o Conselho Municipal de Transporte e Trânsito do Município (Comutran) teria autorizado o aumento das passagens, faltando agora ser sancionado o decreto pelo Executivo. “Estamos fazendo este abaixo-assinado para ser entregue ao prefeito Rechuan no intuito de sensibilizá-lo a não assinar o decreto autorizando o aumento das passagens de ônibus”, disse o vereador Kiko, acrescentando que é o Comutran que autoriza o aumento das passagens urbanas.
“Já foi realizada uma reunião em que o Comutran votou para que seja autorizado o aumento da passagens de ônibus no município para R$ 2,30. Eles alegam que o aumento da tarifa é baseado no Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Getulio Vargas, considerando o valor dos combustíveis e da manutenção dos veículos, além de uma série de insumos contidos na planilha de custo, que tiveram aumento, por exemplo, o valor do litro do óleo diesel; desgastes de pneus, chassis, carrocerias e peças; reajuste salarial dos funcionários de transporte coletivo e o pagamento das passagens das pessoas que não pagam a tarifa. Não aceitamos esse valor e temos que correr contra o tempo para que o Executivo não aprove o decreto”, completa o vereador.
O vereador Mirim, líder do governo no Legislativo, é outro que é contra o aumento da passagem de ônibus. “Queremos que o prefeito reveja o cálculo que estabelece o valor da passagem que a meu ver é uma das mais caras no Sul Fluminense. Em pesquisa, avaliamos que o preço ideal da passagem seria de R$ 1,68 e não R$ 2,15. Muito menos o que estão querendo repassar para os usuários, R$ 2,30. Temos que rever esses valores”, disse Mirim, informando que durante a manifestação os usuários, além de questionar o aumento do preço da tarifa, questionaram o atraso em algumas linhas de ônibus durante o final de semana. “Teve usuário que até pegou o microfone e questionou o atraso dos ônibus, principalmente nos finais de semana. Não podemos deixar acontecer, ainda mais quando se paga um alto valor no preço da passagem”, disse o vereador.
Ate o fechamento desta edição nenhum dos diretores da empresa Transporte Urbano São Miguel, concessionária que opera o sistema de transporte coletivo no município, havia retornado a ligação para a equipe de reportagem do A VOZ DA CIDADE para falar sobre o assunto.
Comutran é formada por 56 componentes
De acordo com o decreto 3094/2009, assinado pelo Executivo, que nomeia os componentes do Conselho Municipal de Transporte e Trânsito do Município (Comutran), o conselho tem como atribuições debater, fiscalizar e deliberar sobre assuntos relacionados ao sistema de transporte coletivo e ao sistema de trânsito da cidade.
O Comutran é composto por 56 componentes, entre titulares e suplentes, dez indicados pelo novo governo da cidade e o restante por entidades não-governamentais, entre elas Sindicatos dos Rodoviários, Transportes Urbanos São Miguel, Associação dos Taxistas, Câmara de Dirigentes Lojistas, Associação do Transporte Escolar de Resende (Ater), Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Resende (Aciar), Câmara de Vereadores e Federação das Associações de Moradores e Amigos de Resende (Famar), além de representantes dos distritos da cidade.
Durante todo o dia de ontem a equipe de reportagem tentou entrar em contato com alguns dos membros do Comutran. Só o suplente Antônio Gonçalves Coutinho comentou, que estava previsto um aumento maior para a tarifa de ônibus. “Pelo que estava sendo calculado, de acordo com a planilha de custo estava previsto um aumento maior para a passagem de ônibus, que seria de R$ 2,40, mas se chegou a este valor de R$ 2,30”, disse Coutinho, salientando que foi um dos que votaram contra. “Sou suplente e votei contra o aumento”, contou.
FAMAR
Como um dos representantes da coordenação executiva da Federação das Associações de Moradores e Amigos de Resende (Famar), Marcelo Macedo Dias revelou que a diretoria ainda não se reuniu para tomar uma decisão, mas informou que é evidente que a Famar, como aconteceu no processo da cobrança do pedágio de Itatiaia para moradores de Engenheiro Passos, em Resende, e da taxa de iluminação pública (ambas as ações vencedoras pela Famar), tomará uma posição, se necessário.
A diretoria da Famar é composta por 21 membros. Marcelo é um dos conselheiros da Famar no Comutran. Ele foi enfático e mencionou que se o reajuste for dado, a federação entrará na Justiça.

Voz da Cidade - Foto: Divulgação Câmara Municipal de Resende

Um comentário:

Solange de Paula disse...

OI Sabóia, muito legal seu bolg. Lendo a matéria, me fez lembrar que aqui em Friburgo, a tarifa de ônibus é um abuso: R$ 2,50 e, além de tudo, há somente uma empresa, A Faol, para transportar a população para todos os cantos da cidade. Significa um gasto de cinco reais diários e o povo ganha o salário mínimo por aqui. Imagina!!! Enfim, adorei encontrar seu blog. Parabéns e grande beijo, Sossô